quarta-feira, janeiro 22

quando você lê o comentário de uma pessoa que você detesta num blog que você adora.

domingo, novembro 10

sou desorganizada desde sempre e, nesta última semana, tenho lido uns blogs e sites sobre organização pessoal. são tantas técnicas e acho algumas delas tão complicadinhas. me admira muito que façam sucesso. 


mas isso tudo é pra dizer que em um dos sites vi uma foto do escritório do al gore. sustinho. bagunça mor. fiquei admirada dele conseguir trabalhar em um mar de papeis.o que me leva a duas conclusões: talvez  ele trabalhasse melhor em um ambiente mais organizado; é possível desempenhar bem as funções sendo assim, desorganizado.


(pesquisei no google e a foto é essa aí de cima)

terça-feira, novembro 5

deixei de ficar arrancando os cabelos da cabeça por causa dos problemas. passei a ficar apenas com raiva (não que raiva seja ~apenas~). e a raiva me fez ser irônica, rir de umas situações que de tão absurdas que passaram a ser cômicas. 

e a vida começa a fluir.
excluí minha conta do facebook. vamos ver se consigo manter a decisão.

terça-feira, outubro 29

preciso começar uma academia, fazer qualquer coisa. já até fui lá, ver quanto é, dias, horários. etc. mas dá uma pregui....

domingo, outubro 27


quando venho aqui e fico reclamando, me lamentando, me lamuriando, lembro do marido de uma amiga (ele, engenheiro, que só engenheiros pensam dessa forma, reta, objetiva, linear). quando ela reclama repetidamente de uma coisa, normalmente de ainda não ter passado no concurso que quer, ele diz, mas você segue a teoria do maluco: faz as coisas sempre do mesmo jeito esperando resultado diferente. não exatamente com essas palavras, mas é isso aí que ele quer dizer. 
*
chega de ser maluca nessa vida.

quarta-feira, outubro 23

só pra contextualizar. estou sem empregada (eram 3 dias por semana, mas faz falta). um diarista uma vez por semana, por enquanto. hoje veio uma senhora aqui, combinamos 2 dias por semana. mas (pré-conceito meu) acho que ela não vai dar conta. parece ter uns 62/65 anos. e não é fácil limpar um apartamento todo (ainda que pequeno) num dia só. veremos.
hoje estou tão cansada e pedro fez uma sujeirada tão tão grande com o lanche da tarde. ele (depois) me disse que não gostou do queijo quente -- que ele pediu pr'eu fazer (terá sido o pão integral?). a bia teve uma hora que mordia e depois cuspia uns pedacinhos no pratinho. ele fez sinal que também queria cuspir. pega o guardanapo. ele ficou meio na dúvida e foi. pensei que ele estivesse vomitando, tanto líquido que saía da boca do menino. acho que ele comeu um pedaço, não gostou, tentou beber o leite com chocolate pra ver se descia e não desceu foi nada: nem queijo quente, nem leite com chocolate. fico tão furiosa com essa sujeira gratuita. gritei, o chamei de porco, e mandei que tomasse banho (tá, sei que não deveria ter gritado muito menos chamo o menino de porco. mas não consegui me controlar). limpei a sujeirada e fui trocar a bia, colocar os dois pra dormir.
*
aí, me lembrei que ontem, estava estacionando o carro depois de levar o pedro na escola, e duas vizinhas estavam saindo para o trabalho. nada demais, apenas arrumadas para ir trabalhar, saindo de casa quase oito da manhã. fiquei pensando no quanto minha realidade é diferente hoje, o quanto tenho que rebolar pra trabalhar dois dias por semana (pelo monos a maior parte dos 2 dias). o que me faz lembrar de outra coisa, uma entrevista que vi esses dias, e o especialista em carreira ou coisa que o valha, estava falando de pessoas insatisfeitas com o emprego. que, na realidade, a situação era consequência de escolhas feitas no passado. deu o exemplo de um funcionário público insatisfeito como que faz. lá atrás, ele disse, essa pessoa fez o concurso público pensando em estabilidade, retorno financeiro, ou qualquer outra coisa. não pensou se gostaria, se seria feliz exercendo essa profissão. é isso. presente é resultado de escolhas feitas no passado, próximo ou distante. escolhi priorizar minha vida afetiva, depois veio a família e agora estou aqui. amo meus filhos mais que tudo, gosto de estar com eles, cuidar deles, mas. mas. mas. não dá pra ser SÓ isso. ser SÓ isso 24 horas por dia. (tá tem os 2 dias de trabalho, mas trabalho a maior parte do tempo em casa. tire suas conclusões).
*
reclamo muito. deveria agradecer mais. agradeço, mas não o suficiente.

domingo, setembro 22


às vezes leio uns blogs sobre maternidade (ou maternagem, como leio aqui e ali) e fico pensando se são elas ou se sou eu que vivo num mundo muito diferente daquele. ali, todo mundo se esforça pra ser boa mãe (aqui é o ponto de contato, eu também me esforço, e muito). só que eu me embanano toda, fico enrolada, insegura, sem saber o que fazer, arrancando os cabelos, com pouca ou nenhuma grana, saindo fumaça da cabeça e sem decidir se coloco as crianças ou não. e não, ninguém além de mim tem problema com marido, pouca grana, insegurança. nesses blogs todo mundo é mega bem informado e bem resolvido. 
*
devo ter vindo de outro planeta e caído de paraquedas* aqui, com duas crianças a tira colo.
*
preocupada com filhote. marido diz que me preocupo e sofro com antecipação. mais exames, mais noites mal dormidas, mais aperto no peito. porque eu sou assim, mesmo que seja só uma febre (não é; espero que não seja nada, mas tem que fazer exame. e exame em filho é sempre uma agonia pra mim, por mais simples que seja).

(é junto ou separado? não lembro mais, não sei se tem reforma ortográfica e estou com sono e preguiça de procurar).